sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Robalo "quebra-jejum"

As grades nos últimos tempos têm-se sucedido mas, contudo, a vontade de pescar mantem-se, quanto mais não seja pelo ar que respiramos, a saudável maresia que sentimos e que nos desperta saudades quanto estamos muito tempo afastados do mar!

Decidi madrugar e lá me desloquei, desta vez sem companhia, para o pesqueiro habitual. Mar crescido com condições para poder aparecer um qualquer cabeçudo. Chegado ao local começo a lançar seguido ferrando logo nos primeiros lançamentos um peixinho da dose, que muito gozo me deu pois fazia algum tempo que não sentia a minha caninha a bater... esta captura precoce fazia prever um bom dia de pesca.


As minhas espectativas não se verificaram infelizmente.. o peixinho inicial foi filho único e para isso contribuiu o mar revolto com muito lixo à mistura.. a amostra nunca conseguia trabalhar adequadamente. Ainda assim e apesar das condições adversas continuei a pescar durante cerca de 2h sem qualquer resultado pratico.

Volto para casa fisicamente “estourado” mas psicológica e mentalmente rejuvenescido, com um humilde robalo que me permitiu quebrar o jejum que já durava há cerca de 2 meses.

Abraço a todos!

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Malula

Por motivos familiares e laborais as idas à pesca escassearam nos últimos tempos.. diga-se que também as grades sucessivas não motivam o pessoal.

No passado dia 28/8 o meu amigo Pedro, como sempre cheio de fezada e porque no dia anterior tinha tirado 2 peixes, combinou uma pesquinha comigo e com o Jorge (mais conhecido por Treclas).

Condições do mar nada comparadas com as do dia anterior.. completamente chão; parecia não haver vivalma marítima naquele pesqueiro. Lá tentamos a nossa sorte com lançamentos sucessivos do plástico pro líquido e nada, tal como já suspeitávamos. Por vezes sentíamos algo nas amostras mas rapidamente concluíamos tratarem-se de algas que rebocávamos até junto de nós.. em suma, uma "bosta".

Numa dessas vezes em que corricava, sinti a pressão habitual e recolho a amostra a grade velocidade; veio a fazer surf à superfície.. surpresa.. uma lula sentiu vontade em abocanhar a minha saltiga.



Esta captura insólita fez-me recordar dois episódios das nossas vidas (minha e do Pedro): o amigo do Pedro que contava, com humor negro, a história do Pargo e da Malula e do nosso amigo Rafa que em tempos se dedicava à pesca da lula com as amostras próprias (toneira).

Abraço a todos!

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Robalo Gordinho

Após o Zé Pedro ter apanhado uns peixes enquanto eu estava a apanhar bicha, e visto que ele ia começar a trabalhar decidi regressar ao HotSpot. Despertador a tocar para as 5:00am, acordo e …. Adormeço outra vez !!!!! Volto a acordar e já são 6:45, eu já sem fé nenhuma porque não gosto de perder os primeiros clarões do dia, decido ir na mesma porque os peixes andaram por lá no dia anterior.
Chego ao local e o mar apresenta-se completamente parado, quase sem ondas, é aqui que fico completamente desolado ! Mas, pegando na Técnica do Jack (Esta é para ti Matos), decido começar a pescar.  Logo nos primeiros lançamentos, passeante para a água…… a onda forma-se, esconde a amostra e TZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ  aí está ele. Mal ataca a amostra, aponta para o fundo a 200/h e eu impotente. Não tarda trago-o à superfície e vejo-o pela primeira vez, “ Ca Ganda Martelo”, só lhe consegui ver o lombo. Era um sítio complicado, com várias pedras e laminárias e eu com um cotonete de 3m…. SEM MEDO.  Não tardou já estava aos pés, mas com uma altura considerável vejo-me obrigado a esperar por uma onda para o encalhar. Enquanto espero, descrava-se a fateixa de trás e eu a atirar para o ar :” F*******!”, felizmente, no meio daquela “lagoa” se forma uma onda considerável que me ajuda a encalhar o robalo, era um belo animal digno de seu nome e debateu-se como um Gigante. Sem dúvida, uma das minha melhores lutas. Têm-se visto autênticas nuvens de pilado a patrulhar a costa, e os robalos devem andar saciados, este aqui revelou-se bem gordinho.

                                    rOBALO

Há coisa de uma semana atrás, o Zé Pedro decide-me acordar às 8 da manhã dizendo que tinha apanhado um bom peixe com o passeante, coisa que não se veio a verificar …. Não perdeu pela demora. Só tive pena que ele tivesse a caminho para o trabalho e já tivesse acordado, pois eram 7:30 e já lhe estava a ligar.
Agora é a vez dele  estrear o Stella com um Robalo à Homem, porque peixes de 100g não contam. ahahhaha

Abração

domingo, 26 de agosto de 2012

A estreia no novo Stella SW no último dia de férias

À terceira pesca foi de vez e já deu para o ouvir assobiar! Assobiou como muitos tristes andaram a assobiar e a cuspir para o ar acerca do que me foi roubado... enfim... pelo menos a mim o dinheiro custa-me a ganhar, mas só gasto o que tenho e que é ganho honradamente! Na pesca como no resto só tenho aquilo que posso ter, ao contrário de muitos zequinhas chupetinhas e afins...

Na companhia do meu Amigo King Petas, que desta vez ficou literalmente a filmar (kakakakaka!), la estreei o carreto com 2 robalos nervosos, que muita adrenalina proporcionaram para as férias acabarem em grande!



O carreto não me surpreendeu, mas o multifilamento Spiderwire Ultracast Invisi Braid sim - grande linha, fina, suave e resistente!

Para além das fotos da praxe fica o vídeo de uma das capturas:


Não cuspam tanto para o ar, que a gravidade é tramada!

Abração!
Pesquem, divirtam-se e sejam mais honestos e menos invejosos! ;)

domingo, 19 de agosto de 2012

Primeira pesquinha das férias e a conta que Deus fez

Apesar de estar de férias, a primeira saída para um spinningzinho andou adiada para hoje de manhã. Até hoje tinha sido para descansar e deixar o mar descansar.
O meu Amigo Cuco saía de 24h e iria ter comigo. Comecei a pescar sozinho por volta das 07:30h, já o dia tinha nascido há muito, mas o céu mantinha-se encoberto. Na primeira meia hora apanhei o primeiro robalote com a mítica saltiga, para animar!


Como em tempo de descanso não uso relógio não fazia ideia de quanto tempo faltaria para o Cuco chegar e resolvi mudar de spot e de amostra. Em pouco tempo, zás! O meu primeiro robalo à superfície este ano!


O grande Kuks estava a chegar e eu a apanhar este peixinho, que ele viu brilhar ao longe.
Animados, continuamos à procura de mais, mas à tona, nem mais um toque. O mar estava crescidote e voltamos aos jerks, com sucesso quase imediato. Bem, sucesso é uma maneira de dizer, pois o Cuco ferra um que parecia bom pela forma como vergou a Lesath, mas que se desferrou a meio caminho...
O tempo ia passando e nem mais um toque, mas esperavamos para mudança da maré para ver o que ia trazer. Trouxe mais um robalote para mim que se suicidou numa angelkiss e outro já bem jeitoso que depois da ferragem veio à superfície dizer: "Adeeeeeeeeus!" e pôs-se ao fresco... Fico doente quando isto acontece, mas faz parte!
Já foi bem bom: três, a conta que Deus fez!


Para primeira pesca das férias não foi mau, mas se temos apanhado aqueles dois bons que se piraram tinha sido bem melhor...

Haja tempo e disposição para mais...

Boas férias!

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

A Carolina também foi pescar

Fazia algum tem que o Dr.José Pedro me dizia: "Sérgio, temos de ir a S.Jacinto pescar e degustar uma caldeirada de Peixe".

No ano passado não foi possivel combinar uma pescaria com este bom Amigo, mas este ano não podiamos deixar de a combinar, e desta vez  acompanhou-nos também o Professor Sérgio Andrade com o seu tio Rui que está emigrado nos States, mas que valoriza genuina e generosamente tudo o que é Português... Obrigado Sr.Rui, pela agradável companhia e pela demonstração do que é ser um bom Português (coisa nada fácil nos dias que correm).

Lá rumamos em direção ao pesqueiro, com a certeza que a melhor maré era durante a tarde e optamos pela parte da degustação antes da pescaria.

Depois dos depósitos atestados apanhamos o barco e montamos canas... iscos para o líquido, chumbadas a correr em direção à foz e foi esperar. Só faltava a milagrosa minhoca de mar, pois não faltava a navalha, minhoca de rio, cazulo, caranguejo mole. Confesso que não estava a ser o dia de pesca mais entusiasmante, mas ao fim de 1h lá se engatou a 1ª dourada com o Dr.José Pedro a faturar e a justificar o período longo de ausência nestas lides piscatórias.


Uns 30 minutos depois, lá enganei eu um sarguinho bem jeitoso, coisa rara no sitio onde habitualmente só saem boas douradas.


Os pequenos toques iam-se sucedendo, pouco esclarecedores e definitivos, com uma ou outra faneca e choupa pescadas... o vencedor em número, sem dúvida o de sempre: Sr.Cruz.

Voltamos para casa, com a sensação de dever cumprido e satisfeitos pela bela tarde de domingo passada entre amigos.



Carolina, um beijinho especial para ti.. deu para perceber a alegria e orgulho que sentiste quando o teu papa tirou o maior exemplar do dia. Fica aqui uma promessa que para a próxima a Joaninha também vai.

sábado, 11 de agosto de 2012

Vício hereditário

Nada como uma pesquinha para me fazer levantar da cama como uma seta às 5 da manhã. O caminho a percorrer foi o habitual dos dias de trabalho, apenas com menos movimento dada a hora. Paragem pelo caminho numa bomba de serviço para tomar um pequeno-almoço rápido e com ele a profilaxia do vómito - que desta vez surtiria o efeito desejado.
Eram 6 da manhã e lá estavamos na Marina de Viana do Castelo - eu, o Pombal e o filho João, e o Luís Lingadas Lareiro - prontinhos para embarcar.
A viagem foi tranquila e rápida, já que o vento era nulo e o piso não tinha os buracos do costume! Condições reunidas para a primeira conquista do dia - não enjoar! O que viesse por acréscimo, para mim, já era mais do que bom... mas na realidade tínhamos definido os gorazes, congros e tubarões como os principais alvos. 
Apesar do material da pesada, apenas atingimos um dos objectivos ao pescar um tubarão azul bébé (apelidado vulgarmente de "tintureira" devido à "tinta" azul que deixa em tudo o que toca). A proeza foi levada a cabo pelo João, com direito a vídeo da captura e libertação. Foi um prazer enorme ver uma criança de tenra idade com tanta alegria a pescar. Fez-me reviver as primeiras vezes que fui pescar com o meu Pai e  como ganhei este amor pela Pesca - parece um vício hereditário mesmo!




O pequeno grande "Mano" (como lhe chama o Pai Pombal) João, apesar de ter feito um período de cerca de 3 horas de descanso dos olhinhos, pouco superior ao meu, manteve-se firme e hirto, animando ainda mais cada captura que íamos fazendo. Foi pena que desta vez os gorazes falharam ao encontro, onde não faltaram muitos carapaus, ruivos, choupas, besugos, cavalas...
Foi um dia de pesca muito agradável, na companhia de dois verdadeiros Amigos, a repetir certamente, já que o material forte e feio para peixes da pesada ficou preparado para futuros embates!

Desta vez tentei enganar os peixes fazendo-me confundir com o Manuel Luís Lareiro, imitando a "perinha de marca"

Além das fotos, fica também um vídeo com alguns dos melhores momentos do dia:


As minhas férias estão mesmo à porta...  :)
Boas férias!