sexta-feira, 29 de março de 2013

LEVE... LEVE

Numa das muitas incursões de pesca protagonizadas por mim e pelo Zé Pedro, um dia resolvemos conhecer S. Tomé e Principe, mais concretamente o ilhéu das Rolas. Adoramos a estadia, que incluía saídas de barco para pesca ao fundo e à amostra. As águas quentes equatoriais prometiam fartas capturas e bons exemplares... A realidade foi muito diferente! Os meios técnicos usados para detetar cardumes, designadamente o sonar, não funcionavam e até a âncora não cumpria a sua missão, porque a corda era... demasiado curta para a profundidade do mar. Estas contrariedades esmoreceram a nossa esperança de belas pescarias, mas não não afetaram a boa disposição dos sãotomenses que nos acompanhavam. O conselho que nos davam era muito simples - nada de aborrecimentos, tínhamos de ter calma e encarar as coisas "leve,leve"!!!
Esta história ocorreu-me como ponto de partida para a crónica de mais um dia de pesca à truta. Eu e o Pedro voltámos ao rio Âncora, mas desta feita acompanhados pelo Sérgio, grande companheiro destas lides.


O Dr. Rui Taxa destinou-nos novamente o lote nº 3, onde só se pratica pesca sem morte. À chegada, grande desilusão! O rio levava muita água e o caudal era muito lamacento, fruto das fortes chuvadas dos últimos dias.



Bem equipados para a intempérie (ainda cairam uns chuveiros fortes), e com o Sérgio a estrear cana e amostras novas, lá começamos a calcorrear as margens do rio para montante.





Para dizer a verdade, como viríamos todos a confessar mais tarde, a esperança num bom dia de pesca tinha-se desvanecido rapidamente. Mas como o tempo começou a melhorar, ninguém desistiu.O lote nº 3 tem cerca de 2,4 quilómetros de extensão. Tínhamos percorrido talvez 800 metros e o Sérgio surpreendeu-nos com um grito: "Já pesquei uma"! Uma truta bonita, com serrilhas até no palato.



Um pouco mais acima, surgiu um dos muitos açudes e o Sérgio avançou para o meio do rio, na parte superior da queda de água. Nesse local, começou a sentir vários ataques, enquanto eu que estava mesmo a seu lado continuava a ver a água correr... O Sérgio manteve-se no local alguns minutos e conseguiu apanhar mais duas trutas. Um pouco mais acima, já na margem, sacou o quarto exemplar. 4-0 não era uma vitória, era uma goleada!


Como bom amigo que é, o Sérgio transmitiu-nos o seu truque - as trutas estavam a comer mais fundo, pelo que era necessário recolher as amostras lentamente. O mais inexperiente nestas andanças revelava a sua argúcia e capacidade de adaptação ao meio. Lembrei-me logo da história com que iniciei esta crónica - "leve, leve" é que é bom!!! E foi. Eu e o Pedro seguimos a tática e ainda conseguimos amenizar a "derrota" para números mais agradáveis, pescando cada um mais três trutas.




Houve, pelo menos, mais dois peixes presos, que se soltaram à borda de água, e variadíssimos ataques sem sucesso. Um dia dececionante de pesca tornou-se numa jornada gloriosa. De tal forma, que só paramos de pescar por volta das 14,15, sem termos atingido o fim do lote... Mas o estômago reclamava e com razão. Havia um arroz de lampreia à nossa espera em Viana do Castelo. Começámos a comer às 15,30 e só acabamos por volta das 17 horas.
Enfim, uma jornada para repetir logo que as disponibilidades do Pedro e do Sérgio permitam. A tática inicial está definida - vamos começar a pescar sensivelmente a meio do lote e, claro, corricando "leve,leve"...

domingo, 24 de março de 2013

Faina

Março...
estamos como o aço!
Primavera a começar,
sol a brilhar 
e frio de rachar.
Acordamos na madrugada
com esperança fundada,
na procura do peixe rei,
que já nem sei
onde procurar mais,
apesar das boas condições
colecionamos grades aos milhões!



Abraço!

quarta-feira, 6 de março de 2013

Cor...

Em tons de cinzento
Ou a preto e branco
Não há alento 
Não há encanto

Quadro sem cor
Tela descabida
Não há fulgor
Não tem lá vida

Cana feita um pincel 
Lançamentos cheios de tinta
Amizade que é fiel 
É este desenho que pinta






Foi mais uma grande manhã de Pesca com os meus Amigos Cuco e Urubu, que teimam em dar cor às nossas vivências conjuntas. Ainda pescamos quatro robalos, dois dos quais muito jeitosos. O Urubas este ano continua a seco, mas a dar as dicas certas aos outros (ahahahahaha!). Eu que lhe agradeça, pois em pouco tempo é o segundo peixe perto dos 5Kg que pesco graças aos seus bitaites! Mais cedo ou mais tarde a tua sorte chegará. Até lá, que o arco-íris da verdadeira Amizade e da Saúde nos sorria a todos!



Boas pescas!





sábado, 2 de março de 2013

Abertura da pesca à Truta - reencontro/ a minha estrela Polar

Foi muito mais do que apenas a abertura da pesca à truta...

Este início de 2013 foi muito mau para mim, pois fez-me reviver angústias passadas e reactivou medos antigos, medos de sempre... o medo de perder aqueles de quem mais gosto! Noites em claro, sem sono e preocupações mil...

O dia de hoje simbolizou o reencontro com a serenidade e paz interior, o reencontro com a minha estrela polar que sempre me tem iluminado.





Um abraço especial ao Dr. Rui Taxa por nos ter reservado o lote de pesca sem morte onde pescamos e pela amabilidade da visita a meio da manhã.

Boas pescas!