terça-feira, 2 de março de 2010

O 1 de Março é sempre um dia especial!

Há muitos anos que o dia 1 de Março se tornou num dia especial.
Desde logo, porque em idade escolar, era o único dia em que tinha autorização dos meus pais para faltar. E eu que sempre fui um aluno cumpridor de horários, nesse dia nada me custava "dar um tiro" às aulas!
A abertura Nacional da pesca à truta começava a ser preparada com dias ou mesmo meses de antecedência, tal era a vontade de retomar o prazer negado na necessária época de defeso. Quando o dia chegava, com linha 0,16 ou 0,18 novinha no carreto, com medalhas meps - as velhinhas campeãs e outras a estrear - ou com minhocas da terra, lá partíamos eu e o meu pai ainda de noite para um dos muitos rios truteiros que tivemos a sorte de explorar juntos!

Esta tradição manteve-se este ano.

Desta vez, a convite do meu amigo Bruno Costa, juntei o útil ao agradável, e no dia 28 de Fevereiro tive o previlégio de conhecer a sua terra natal - Vila Pouca de Aguiar, mais precisamente Tourensinho, onde pernoitamos. Eu, o meu pai, a minha esposa e a minha filha tivemos a oportunidade de conhecer a simpática família do meu amigo, bem como de confirmar a hospitalidade dos Trasmontanos.

Depois de bem comer, conviver e ultimar pormenores para o dia seguinte, pouco dormimos.
Eram 5:30h da manhã quando nos levantamos para tomar o pequeno-almoço. Minutos depois fizemo-nos à estrada. Estavam 2ºC e chovia que se fartava! Mas a vontade era mais que muita!
A caminho do rio Bessa, paramos na casa do nosso amigo Álvaro, que se juntou a nós. Até estacionarmos o carro, paramos apenas mais uma vez; descíamos uma estrada em terra batida e tivemos de afastar uma árvore (atirada ao chão pelo mau tempo) que nos barrava o caminho.

Chegados ao curso do rio, deparamo-nos com muito vento e imensa corrente. Devido à chuva, o rio tinha transbordado as margens habituais e inundado os terrenos adjacentes.




Estas condições quase inviabilizaram a pesca com medalhas. Digo "quase", porque ainda insisti durante uma meia hora, mas era de facto impraticável esse tipo de pesca. Optamos , por isso, pela pesca "ao toque" com minhocas. A escolha revelou-se bastante profícua:

O Álvaro pescou 3 trutas;














O Bruno Costinha outras 3;
















O Sr. José (pai do Costinha) outras 5;

O meu pai carregou a grade;














E eu por pouco tinha-a carregado com ele, não fosse a única truta que pesquei!


Foi mais um primeiro dia de Março especial, passado com pessoas especiais.

O meu obrigado a todas elas!

Sem comentários:

Enviar um comentário