terça-feira, 26 de outubro de 2010

Dia 21 de Outubro de 2010 (5ªFeira) – a chegada ao Faial

Minutos antes de pisar o solo Faialense, enquanto o avião se preparava para fazer à pista, tive uma visão fantástica: por entre os novelos de algodão em rama irrompia o cume do Pico (Piquinho) imponente, como se de um castelo de um conto de fadas se tratasse. Foi o sinal que o nosso destino estava mais perto que nunca.
Após uma viagem muito agradável (mesmo para mim que abomino aviões) com ponto de partida no Porto e com escala em Lisboa, sentimos a primeira turbulência. Felizmente foi curta, mas longa o suficiente para me deixar as mãos suadas e o coração taquicárdico. Acabavamos de “furar” o manto de nuvens que nos limitava a visão. Desde esse instante, a nossa linha de horizonte era bela. Em frente à Ilha do Pico, que já antes mostrara o ponto mais alto de Portugal, encontrava-se a Ilha Azul – O Faial! Entre as duas Ilhas o Canal que já dera nome a um livro de Vitorino Nemésio – “Mau tempo no canal”. Desta feita, nem o clima nem o mar fizeram jus ao título do referido romance. Felizmente! Tivemos mesmo muita sorte, pois dias antes da nossa chegada tinha passado uma tempestade pela Ilha com registos de ondas de 8 metros!
Chegados ao Hotel do Canal, separado apenas por uma rua da Marina da Horta, arrumamos as malas no quarto e fomos conhecer pessoalmente a Susana e o Luís da empresa Faial Terra Mar. Já tínhamos ficado muito bem impressionados através dos contactos estabelecidos previamente com vista à pesca embarcada e ao conhecê-los reforçamos essa ideia. Um casal super simpático, hospitaleiro, profissional, sempre disponíveis para ajudar. E ajudaram de que maneira! Não só nos dois dias em que pescamos no alto-mar, mas também nas dicas que nos deram para a pesca apeada na costa. Foram, acima de tudo, dois bons amigos que fizemos.
Almoçamos e fomos calmamente passear de carro pela costa Sul, rumo ao Porto do Varadouro. Ficaram-me na memória as palavras do meu Pai: “o azul do céu aqui funde-se com o azul do mar”. A água do mar é de um azul tão puro, tão limpa e cristalina que permite ver o fundo, mesmo quando os spots menos profundos têm uns bons 6 ou 7 metros. Além disso, como o porto onde começamos a pescar tinha piscinas naturais, cheguei a pensar que o azul celeste da água no local resultasse de um fundo em cimento pintado de azul… mas estava enganado, era mesmo a cor natural da água! Lindo!


Alegremente integrados naquele cenário, começamos a pescar: o meu pai à bóia com amêijoa e eu ao spinning. As capturas e libertações sucediam-se à bóia. Enquanto isso, avistava algumas perseguições às minhas amostras, que teimavam em desistir a meio. Troquei de cores e de tipos de amostras e nada. Mudo de spot e volto à obrigatória Angelkiss. Confirmo que esta sardinha parece universalmente eficaz: cai na água, uma ou duas maniveladas e pancada leve, mas certeira. Era a minha primeira captura em solo Açoreano: uma Garoupa pouco maior que a amostra, mas muito voraz.


Cientes de que o spot era valioso e que a excelente hora do pôr-do-sol ainda estava para chegar, mesmo assim demos a pesca por encerrada, já que queríamos ver o jogo do FCP na televisão. Uma opção mais tarde justificada pelo excelente resultado obtido!
Deitamo-nos cedo e adormecemos rapidamente tal era o cansaço da viagem após as poucas horas de sono do dia anterior. Muita energia seria necessária para os dias vindouros!

5 comentários:

  1. Isso só foi o estágio para no dia a seguir ires dar neles.LOL
    Lindos spots amigo e viva o nosso FCP.

    Abraço
    Rui

    ResponderEliminar
  2. Sim... e tudo isto era só o começo...aliás um belo começo, porque estes amigos conseguiram com mais de 1 mês de antecedência, acertar em 4 dias com tempo fantástico, e isto no meio de duas tempestades atlânticas....sensacional....

    ResponderEliminar
  3. Que belo local...magnifico...e que começo!!!

    ResponderEliminar
  4. Excelente reportagem, com as indispensáveis fotos que nos fazem sentir alguma pena de não ter participado nesta aventura!
    Abração aos dois!
    Atmosférico

    ResponderEliminar